sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Motivos para cursar ENGENHARIA.


A quem diz que engenharia é coisa pra louco e me pergunta o que me levou a cursar, tenho algumas respostas. O texto abaixo foi retirado do jornal Zero Hora.
Só não vale ler só a parte da remuneração ;), pois quem não gosta MUITO, não faz.

Descubra o seu motivo para cursar Engenharia

O Rio Grande do Sul oferece 30 opções de especialidades para o engenheiro. E, no próximo inverno, deverá estrear mais uma: a Engenharia Acústica, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). As possibilidades são muitas para quem deseja seguir a profissão que está em alta no Brasil. Com a economia em crescimento, o engenheiro ganha espaço em muitas áreas. Abaixo, confira algumas oportunidades em setores de destaque no Estado.

Construção civil está em alta
A Engenharia Civil é a estrela do momento. A mais tradicional especialidade está protagonizando o novo boom da carreira com o aquecimento na área habitacional. No Estado, o número de registros de responsabilidade técnica atinge números históricos. Em julho, os engenheiros civis realizaram mais de 29 mil anotações. O profissional está envolvido em todo tipo de obra e, além de edificações, atua nos setores de transporte, recursos hídricos, saneamento e geotecnia para a construção de fundações, encostas, aterros para grandes estruturas. Para o Rio Grande do Sul, estão previstos investimentos em rodovias e em outros setores da economia que garantem inserção do engenheiro civil, formado por 14 instituições gaúchas: Furg, IPA, PUCRS, UCPel, UFRGS, UFSM, Ulbra, Unijuí, Unipampa, Unisc, Unisinos, UPF, Urcamp, URI.

Energia para o futuro
Duas universidades públicas do Estado (Uergs e Unipampa) oferecem o curso de Engenharia em Energia. A especialidade deverá estrear na UFRGS em 2010. O currículo prevê o atendimento ao desenvolvimento energético do país, que precisa buscar opções adequadas de geração, uso, operação, manutenção e gestão de energia. O profissional também é formado para se destacar no planejamento de sistemas que se utilizam de energias renováveis como eólica, solar, biomassa, oceânica, hidrogênio e outras. A Engenharia Elétrica da Unisinos acaba de criar a ênfase em sistemas de energia, que proporcionará uma formação especializada na área, abordando a geração do uso eficiente em 13 disciplinas específicas.

Controle e automação para a produção inteligente
O curso estreou na UFRGS em 2008. A novíssima graduação da mais tradicional escola de engenharia do Estado reúne conhecimentos da Elétrica, Mecânica e Computação. Além da robótica, as inúmeras aplicações da automação oferecem trabalho na indústria, na agricultura e nos diferentes setores que precisam qualificar processos, oferecer serviços ou criar produtos inteligentes. O curso é oferecido por outras quatro instituições no Estado: PUCRS, Furg, UCS e Centro Universitário Univates

O petróleo é brasileiro
A Ulbra criou este ano o primeiro curso em Engenharia de Petróleo do Estado. O mercado busca engenheiros nessa área para atender ao grande crescimento da produção no país. O campo de atuação envolve todas as atividades de exploração, produção, elevação e escoamento de petróleo e gás. As recentes descobertas de petróleo aceleram a busca por engenheiros especialistas, que podem ter formação em outras áreas. A demanda do setor é maior do que o número de profissionais no mercado brasileiro. O porto naval de Rio Grande amplia a área de trabalho do Rio de Janeiro, onde estão 70% dos campos petrolíferos.

Incentivo para metalurgia
O grupo Gerdau duplicou as bolsas de estudos oferecidas ao alunos de Engenharia Metalúrgica (de quatro para oito). A UFRGS oferece o único curso do Estado. No próximo vestibular, a universidade abrirá 60 vagas, 10 a mais do que este ano, o que mostra também a necessidade de mais profissionais no mercado. Para os oito primeiros colocados no vestibular 2009, a maior empresa de siderurgia do país garante uma bolsa-auxílio inicial de R$ 450 que pode ser estendida até a pós-graduação. Para o engenheiro metalúrgico, o grande filão é o setor siderúrgico, mas há boas oportunidades no automotivo e no petrolífero.

O futuro na agroindústria
Em uma ação inédita, governos federal, estadual e municipal se uniram no Rio Grande do Sul para o lançamento de dois cursos de Engenharia em 2009. A oferta está na área da agroindústria, seguindo uma das vocações do Estado. Os cursos serão sediados pelo município de Santo Antônio da Patrulha, no Litoral Norte, ministrados pela Universidade Federal do Rio Grande (Furg), com apoio da Secretaria Estadual da Ciência e Tecnologia. Os futuros engenheiros poderão optar por currículos voltados para indústrias alimentícias ou para a agroquímica. A pesquisa de mercado que aprovou os novos cursos listou 42 municípios com indústrias no setor e bom campo de trabalho na região.

Remuneração
Para todas as áreas, o engenheiro tem o piso de seis salários mínimos por seis horas de trabalho. Para oito horas, a remuneração mínima é de nove salários no Estado.

2 comentários:

Froilam de Oliveira disse...

Diego
aqui em Santiago, sempre paroquialista, há vozes que repetem um discurso preconceituoso, anticientífico, coisa do passado.
Teus blog é um contraponto necessário.
Abç

Froilam de Oliveira disse...

Diego
Preciso confirmar com o pessoal da Secretaria de Educação e Cultura, mas posso adiantar que haverá espaço e tempo para o teu show. Desta vez, serão quatro dias de feira. O melhor horário é à noite.
Abç